Nights of Azure 2: Bride of the New Moon – Review

A Koei Tecmo lançou no final de outubro a aguardada sequência de Nights of Azure, intitulada de Nights of Azure 2: Bride of the New Moon para os consoles PlayStation 4, Nintendo Switch e PC porém deixando mais uma vez de lado a versão para o portátil PS Vita que foi lançada exclusivamente no Japão.

Na história do jogo, há muito tempo atrás a grande batalha contra o Senhor da Noite deixou cicatrizes no mundo trazendo monstros conhecidos como Demônios, que surgem durante a noite deixando os humanos dependentes apenas da luz do sol como aliados. Nos primeiros momentos o jogador já terá o controle de Aluche que precisará proteger Liliana enquanto recebe os primeiros tutoriais do jogo em que terá que enfrentar pequenos monstros.

Logo de cara já percebemos que o jogo mudou em relação ao seu antecessor, melhorando diversos aspectos que eram desanimadores na primeira versão como o seu enredo. Apesar de cair em diversos cliches de outros jogos, Nights of Azure 2 consegue se destacar trazendo um sentimento único durante a jogatina e predendo o jogador em seu enredo mesmo que já seja batido.

As lutas do RPG estão repletas de ação seja pelos movimentos do personagem que o player está controlando, ou então dos seus “servos” que podem receber ordens durante todo o confronto, se adaptando assim ao estilo de luta de quem os controla e podendo mudar o rumo da luta dependo do comando que for dado. Os controles são bem simples, o que poderá facilitar a adaptação de quem está chegando agora aos jogos da série ou então deixando espaço para aqueles que já conhecem a franquia e que possam focar sua atenção em outras coisas que não sejam a execução de um combo no controle.

Os comandos para atacar são feitos com apenas dois botões, o que facilita e muito a execução de golpes longos e mortais durante as batalhas frenéticas podendo ainda incluir um salto assim atacando os oponente no ar e dando uma diversidade para os esquemas de ataque. Outro diferencial do jogo está na possibilidade de usar os servos, que já estavam presentes no primeiro jogo da série e são coletados pelo mapa durante toda a jogatina e que farão o jogador terminar uma luta com muito mais facilidade depende do tipo que estiver sendo utilizado no momento.

As Lilies (personagens de suporte) também estarão ao seu lado durante a exploração dos mapas e também nas batalhas tendo parte importante em sua estratégia para lutar contra os monstros mais simples assim como os chefes espalhados pelo mapa. Cada uma delas possui um estilo diferente e poderá ser equipada como desejar melhorando assim seu poder de ataque ou então priorizando uma personagem que melhore a defesa de Aluche. Durante o calor da batalha alguns golpes poderão ser utilizados ao cumprir certos requisitos, causando um dano muito maior e finalizando as lutas com uma facilidade e rapidez maiores.

Tanto as Lillies como os servos e a protagonista podem receber melhorias durante toda a história ganhando assim um aumento de nível e consequentemente em seus stats, porém o mesmo terá um custo para ser executado utilizando as moedas do jogo que são Sangue, Libra e Pontos de Servo que serão recebidos como recompensa por completar as diversos missões espalhadas pelo mapa e também completando side quests que são aceitas dentro da mansão.

Nights of Azure 2 consegue melhorar e muito o que foi o primeiro jogo da série, trazendo diversas melhorias tanto no enredo como na jogabilidade, mesmo que tenha perdido um pouco no que diz respeito a estratégias para progredir no campo de batalha, no final o conjunto de todos os pontos fazem o jogo se sair melhor que o seu antecessor lançado no ano passado e sendo considerado um dos melhores RPG do gênero lançados nesse ano.

Pontos Fortes

  • História
  • Jogabilidade

Pontos Fracos

  • Tempo escasso para executar missões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.